Empresários também podem fazer entregas e trabalhar internamente com reformas e organização de estoques
(Arte: TUTU)

Os comércios fechados pelo menos até o dia 22 de abril no Estado de São Paulo podem utilizar serviços de delivery, e-commerce e redes sociais para tentar vender e manter as receitas durante esse período.

Na entrevista, Ana Paula Locoselli, assessora jurídica da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), fala sobre a proibição do atendimento presencial nos estabelecimentos considerados não essenciais.

Conheça as reivindicações da FecomercioSP aos governos federal, estadual e municipal
Saiba o que abre e o que fecha em São Paulo

“O decreto proíbe o atendimento presencial em estabelecimentos comerciais e prestadores de serviços. Então, os empresários podem fazer entregas e trabalhar internamente com reformas e organização de estoques, por exemplo. O que é vedado é a abertura da loja ao público”, explica.

A FecomercioSP estima que aproximadamente 460 mil estabelecimentos ficarão fechados até o fim da quarentena. Fiscalizações têm sido feitas pela Prefeitura de São Paulo para coibir o descumprimento da medida.

Preparamos também uma tabela para você entender melhor o que pode funcionar durante esse período e de que forma. Veja aqui.

Ouça o podcast:

O conteúdo também está disponível aqui.

 

Fonte Oficial: FecomercioSP

Comentários

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.