Hoje às 17h acontece o webinar com o CEO no Brasil da OLXAndries Oudshoorn. A transmissão será pelo Facebook da StartSe.

Quem participar poderá conhecer melhor a carreira do executivo holandês e fazer perguntas sobre os planos de Andries para transformar a OLX na maior empresa de tecnologia do Brasil. Temas como empregos na empresa, cultura do desapego, uso de dados para orientar estratégia de negócios, cultura tech, desafios do negócio e muito mais serão abordados na conversa.

Nascido na Holanda, Andries chegou ao Brasil em 2011 para estruturar a operação do Bomnegocio.com, site de classificados online adquirido pela OLX Brasil. Quando a aquisição se concretizou, o executivo foi escolhido para liderar a operação integrada.

“No início da OLX, investimos em muito marketing, para explicar o propósito de comprar e vender coisas usadas”, conta o executivo. Segundo ele, o brasileiro ainda não tinha a cultura do desapego.

Oito anos depois, ele continua no comando do que se tornou um dos maiores portais de compra e venda do Brasil. Desde que se mudou para o Rio de Janeiro, Andries tem uma rotina corrida. “No começo, eu tomava todas as decisões operacionais. Quando a empresa começou a crescer, meu papel mudou bastante. Hoje eu contrato líderes que dirigem cada área”, diz. Uma vez por semana, ele se reúne com os diretores.

O executivo se reveza entre os escritórios da OLX em São Paulo e na capital carioca. Andries é casado e tem dois filhos, gosta de fugir da rotina para aproveitar a natureza do Rio de Janeiro. “Fazemos trilhas, andamos de bicicleta, vamos para a praia e algumas vezes velejamos. Tentamos aproveitar ao máximo a cidade.”

Uma história de sucesso no online

Criada em 2006 na Argentina por Alec Oxenford e Fabrice Grinda, a OLX está presente em 45 países. No Brasil, a empresa iniciou suas operações em 2010. Pouco tempo depois, em 2011, o grupo foi comprado pela Naspers, que também é acionista de grandes nomes como Buscapé, Movile e Tencent. Desde então, recebeu grandes investimentos, se consolidando como uma das maiores plataformas de compra e venda do mundo.

Hoje, a OLX Brasil registra mais de meio milhão de novos anúncios todos os dias, 2 milhões de vendas por mês e cerca de 600 mil novos anunciantes todos os meses. “Há alguns anos, levamos as vendas dos jornais para a internet. Há cerca de cinco anos, fizemos uma nova revolução do desktop para o mobile”, ressalta o finlandês Andries Oudshoorn, CEO da unidade brasileira desde 2011.

Segundo Oudshoorn, a missão da companhia é mudar a cultura brasileira e o modelo de consumo. “Vimos que em 2010 as pessoas acumulavam muitas coisas. Em 2019, elas estão ficando mais conscientes”, disse o executivo. O trabalho tem gerado bons resultados: em 2018, a OLX Brasil foi considerada a 9º maior plataforma de classificados do mundo pelo AIM Group.

Modelo de negócio

A grande audiência da plataforma é o que sustenta o modelo de negócio da OLX, que gera receita de três formas: com a assinatura de anúncios para profissionais — como imobiliárias e concessionárias — , com publicidade geral (para mídia) e integrada, e com o destaque opcional dos anúncios para usuários que desejam atrair mais exposição para o seu produto.

Além do marketplace, a empresa se destaca em dois grandes setores: automóveis e imóveis. Hoje, 69% de todos os carros anunciados no país estão no site, e 20% das vendas totais de veículos no Brasil são realizadas pela plataforma. Já no setor de imóveis, são 222 milhões de buscas todos os meses, com crescimento de 46% em número de anúncios no último ano.

Pensando nisso, a OLX lançou, em 2017, a Storia, vertical especializada em imóveis com ferramentas que ajudam o comprador ou locatário a tomar decisões baseadas em informações sobre o bairro em que as casas e apartamentos estão anunciados.

Além disso, a companhia também criou, um ano depois, a Autoshift, plataforma especializada em automóveis e exclusiva para anunciantes profissionais. Com diversos filtros, o usuário pode buscar os veículos por marcas, modelos, preços, proximidade e outras características.

Sede carioca

Para acompanhar o crescimento da plataforma, a OLX Brasil conta com uma sede de 2.600 m² no Rio de Janeiro, além de um escritório em São Paulo. Ao todo, são cerca de 600 funcionários. Distribuída em três andares, a sede possui áreas comuns, salas de reunião, área de jogos, escorregadores e até uma piscina de bolinhas.

Sede da OLX, no Rio de Janeiro.

O contraste de cores também chama atenção seja nos móveis, nas gravuras pintadas na parede ou até mesmo na iluminação das estações de trabalho. Todas as frases espalhadas pela sede foram elaboradas em um processo colaborativo com a participação dos funcionários.

Sede da OLX, no Rio de Janeiro.

Cultura tech e squads

O ambiente descontraído não foi pensado por acaso. “Precisamos ter criatividade e inovação o tempo todo. Temos uma cultura flexível, com processos bem abertos”, explica Sérgio Póvoa, chefe de recursos humanos da companhia. Segundo ele, a OLX tem uma ambiciosa meta: se tornar a maior empresa de tecnologia do Brasil. Para isso, o time deve estar alinhado com esse propósito.

Segundo Póvoa, trabalhar na OLX requer algumas habilidades. A empresa busca por talentos que possam trazer insights sobre os clientes e o negócio, que consigam lidar com desafios e que aproveitem novas tecnologias para endereçar uma necessidade real do usuário. “Como sempre surgem posições novas, estamos o tempo todo nos desafiando e testando diferentes movimentos. É preciso gostar de mudanças”, ressalta o executivo.

Estações de trabalho na sede da OLX, no Rio de Janeiro.

Pensando nisso, os colaboradores são constantemente divididos em tribos (ou squads) formadas por engenheiros, gerentes de produtos, designers e respectivos líderes. O objetivo é atender às necessidades dos usuários de forma eficiente. “É uma forma de organizar e estruturar a companhia para crescer de forma sustentável. Cada squad funciona como uma startup, uma empresa independente aqui dentro”, explica Bernardo Carneiro, diretor de tecnologia da empresa.

Foco na experiência

Com o crescimento da companhia, os executivos notaram um ponto importante: nem todos os funcionários eram usuários da OLX. “Para criar empatia com o cliente e ter essa proximidade é preciso experimentar a plataforma”, ressalta Janet Baireva, chefe de produtos da companhia.

Para isso, a empresa lançou recentemente a campanha Somos todos usuários. “Cada funcionário que chega recebe um voucher para comprar na OLX e dar o seu feedback, compartilhando insights da experiência”, explica a executiva. Hoje, 420 dos 600 funcionários já usaram a plataforma.

Tecnologia é prioridade

Para alcançar a meta de se tornar a maior empresa de tecnologia do país, a OLX planeja investir R$ 250 milhões na operação brasileira em 2019. O aporte será usado, principalmente, no desenvolvimento de novas tecnologias, como machine learning. “Cerca de 80% do nosso público está no mobile. Estamos investindo em novas ferramentas e algoritmos que façam melhores recomendações e que tragam mais inteligência para a plataforma”, explica o CEO Andries Oudshoorn. Além disso, a OLX planeja aumentar o número de funcionários, com a contratação de 150 pessoas, 120 delas para as áreas de tecnologia e produtos.

A companhia também tem apostado em algo muito valioso: dados. Hoje, toda a empresa tem acesso à uma tela com feedbacks e depoimentos dos clientes nas redes sociais. Além disso, a OLX já investiu mais de R$1 milhão apenas em pesquisa com usuários em 2019. O objetivo é criar uma cultura de dados e capacitar a companhia com uma estrutura analítica.

“Para atender melhor o usuário e oferecer uma experiência rica, temos que entendê-lo e capturar muitos dados”, ressalta Raúl Renteria, head de Big Data da OLX. As informações são usadas para criar ferramentas, aprimorar a experiência do usuário e inovar ainda mais.

Novos produtos

O uso constante de Big Data e Machine Learning já está gerando resultados. Um dos produtos criados pela companhia foi o reconhecedor de imagens para categorização. Hoje, o site possui 35 categorias de anúncios. Para garantir que cada produto esteja no lugar certo, uma inteligência neural avalia mais de 4 milhões de fotos por dia.

A OLX também possui um sistema de inteligência que oferece recomendações com base em dados sobre interesses do usuário nos últimos sete dias. Hoje, são 150 interações realizadas por minuto a partir das informações coletadas diariamente.

Além disso, a companhia está desenvolvendo uma ferramenta que ajuda o usuário a encontrar boas ofertas de carros. A solução, que deverá ser lançada em breve no mercado, será capaz de simular um financiamento e combinar diversos dados — como região, informações de outros anúncios e características do veículo — para indicar se o valor está abaixo ou acima da média do mercado.

Fonte Oficial: StartSe

Comentários/Comments

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.