Janela Única Aquaviária deve começar a ser implementado neste ano
(Arte/Tutu)

Um projeto recém-lançado deve contribuir para desburocratizar e agilizar as operações de exportação e importação por via marítima. Trata-se do Janela Única Aquaviária, iniciativa conjunta dos ministérios da Economia e da Infraestrutura que, além de integrar processos em uma única plataforma, deve gerar uma economia anual de R$ 10 bilhões aos operadores logísticos e agentes de comércio exterior.

Acontece que, atualmente, as operações realizadas pelo modal marítimo precisam passar por, pelo menos, dois sistemas.

Veja também
Ex-Tarifário: lista de bens que contam com redução do imposto de importação sofre alteração
Nova etapa do Portal Único de Comércio Exterior facilita rotina do importador
Entenda as mudanças recentes da Receita Federal que afetam o comércio exterior

Um deles é o Portal Único Siscomex, administrado pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) e pela Receita Federal, no qual são registradas as importações e as exportações. Já o segundo sistema, o Porto Sem Papel (PSP), ligado ao Ministério da Infraestrutura, gerencia as embarcações.

O objetivo do Janela Única Aquaviária é, justamente, integrar os procedimentos em um só ambiente.

O novo sistema será implementado por etapas, com previsão de conclusão em 2023, quando o Porto Sem Papel 2.0 deverá ser integrado ao Portal Único Siscomex. A primeira fase de implantação – na qual serão feitos o mapeamento e o redesenho dos processos de carga e de trânsito aquaviários em parceria com o setor privado – começa ainda neste ano.

Na avaliação do Conselho de Relações Internacionais (CRI), da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), o Janela Única Aquaviária, além de bem-vindo por desburocratizar processos e reduzir custos para os agentes de comércio exterior, deve colaborar para que o Brasil aumente a competitividade nos mercados internacionais.

Além disso, o sistema tem potencial para melhorar o ambiente de negócios no País. Basta ver que o Doing Business, estudo do Banco Mundial com 190 nações, mostra que em termos de tempo e de custo das operações de comércio exterior, o Brasil ainda está aquém do nível registrado em países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e, até mesmo, da média da América Latina.

Saiba mais sobre o Conselho de Relações Internacionais (CRI) clicando aqui.

Faça parte

Se você tem interesse na melhoria do ambiente de negócios para que a sua empresa possa crescer, conheça melhor a FecomercioSP. Você pode se tornar um associado e ter acesso a conteúdos e serviços exclusivos, além de descontos em eventos e outros benefícios.

Fonte Oficial: FecomercioSP

Comentários