Reduzir os impactos negativos causados à natureza se reflete com mais força nas finanças, valorizando os negócios
(Arte: TUTU)

A pandemia, causada pelo covid-19, expôs diversas deficiências do País, dentre elas, as fragilidades socioambientais do planeta. Isso fez com que a cobrança de mais compromisso por parte do setor privado crescesse, e o conceito Environmental, Social and Governance (ESG) chega impondo urgência na implementação de uma nova agenda propositiva das empresas. O tema é tratado na edição 463 da revista Problemas Brasileiros, publicada bimestralmente pela FecomercioSP. Agora, reduzir os impactos negativos causados à natureza se reflete com mais força nas finanças, valorizando os negócios.

Veja também:
Fidelidade: entender o momento do cliente é fundamental para gerar bons resultados
Qual é o potencial da pauta de concessões de ativos públicos à iniciativa privada?
Varejo em transformação: conheça a economia de baixo contato

A publicação fala também sobre saúde mental, que nunca foi tão importante como nos dias de hoje. Adversidades causadas por este período de isolamento social, perda de entes queridos e medo fizeram com que, de um dia para o outro, nos adaptássemos a uma nova rotina, gerando uma série de consequências. De acordo com uma pesquisa realizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), 93% dos países descontinuaram os serviços essenciais de saúde mental na pandemia.

Ainda nesta edição, uma entrevista exclusiva com a presidente do Conselho de Administração do Magazine Luiza e do Grupo Mulheres do Brasil, Luiza Trajano, considerada uma das maiores líderes do País. Ela fala sobre responsabilidade social, crescente envolvimento de empresários nas políticas públicas brasileiras e sua trajetória de sucesso.

Esses e outros assuntos você lê na revista Problemas Brasileiros edição 463, que pode ser encontrada nas melhores livrarias, bancas físicas e também digitais. 

 

Fonte Oficial: FecomercioSP

Comentários

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.