Linha de produção da cachaça Sebastiana, no interior de São Paulo

Pequenos e médios produtores brasileiros de cachaça querem conquistar seu lugar entre os consumidores canadenses, que já conhecem grandes marcas como Weber Haus (RS) e Pitú (PE). Para conquistar potenciais importadores, a Câmara de Comércio Brasil-Canadá (CCBC) promoveu na semana passada a Missão Comercial da Cachaça Brasileira no país.

Fizeram parte da comitiva sete pequenas e médias destilarias, donas das marcas Água de Arcanjo (RS), Tellura (RJ), Werneck (RJ), Princesa Isabel (ES), Camburiussú (SP), Cachaçaria Victoria (SP) e Sebastiana (SP). Elas participaram de eventos de divulgação e de degustação no País onde o uísque é o destilado mais consumido, seguido de vodca e rum. Os fabricantes foram selecionados em razão da qualidade e do potencial de investimento, de acordo com levantamento da Câmara.

A Sebastiana já estudava o mercado e conseguiu levar para o País, com autorização do governo canadense, lote com 165 caixas – 990 unidades – para comercialização. As demais levaram para acontecimentos como a Grande Dégustation de Montréal apenas quantidades apenas para experimentação durante a missão.

“A partir de conversas com bartenders renomados do Canadá, acreditamos que a cachaça deva ser a bebida da moda no país”, diz Carlos Alberto Mattos, sócio da Santa Rufina Indústria e Comércio de Derivados de Cana, que produz a Sebastiana. “Em coquetelaria, pelo que vimos, é a (bebida) mais falada.”

Consumidor do país tem alto poder aquisitivo 

Segundo o diretor de Relações Institucionais da CCBC, Paulo de Castro Reis, a escolha do Canadá como porta de entrada para a internacionalização da cachaça de pequenos e médios produtores deve-se ao alto poder aquisitivo do seu consumidor e pelo fato de o país ser multicultural, formado em grande parte por imigrantes, o que fomenta o interesse por itens “novos e diferentes”. Além disso, diz ele, o mercado canadense não é tão grande e disputado como o dos Estados Unidos. “O Canadá tem potencial de desenvolvimento (para o mercado de cachaça) muito grande, pois possui acordos de livre comércio com Europa, Ásia e Américas, por exemplo.”

Conforme balanço da provedora global de Inteligência Estratégica de Mercado Euromonitor, os destilados representam 27% dos produtos importados no comércio canadense, incluindo a cachaça brasileira. Essa representação, por sua vez, se reflete no consumo. Em 2017, foram importados 164,5 milhões de litros de destilados. Para este ano, a previsão é de que o volume chegue a 167,6 milhões de litros. Para 2019, a projeção é de 171 milhões de litros .

Diretor executivo do Instituto Brasileiro da Cachaça (Ibrac), Carlos Lima diz que o Brasil exporta apenas 1% (cerca de 8 milhões de litros) de sua produção. Ele calcula que, em 2017, as vendas externas do produto para o Canadá somaram U$$ 74 milhões, ante U$$ 1 bilhão que o mercado mundial comercializou com bebidas derivadas da cana-de-açúcar. “Isso demonstra o grande espaço que a cachaça pode ocupar no mercado internacional”, afirma.

Fonte Oficial: Estadão PME

Comentários/Comments

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.