Diplomacia brasileira se destaca por uma vocação “construtiva de moderação e equilíbrio”, avalia Ricupero
(Crédito: Christian Parente)

Assim como os demais países da América Latina, o Brasil não conseguiu crescer suficiente e ininterruptamente durante 30 anos, tempo necessário para estreitar a distância que o separa das nações desenvolvidas. Agora, o mundo passa por um movimento em que as oportunidades de desenvolvimento, até pouco tempo concentradas às margens do Atlântico (Estados Unidos e Europa Ocidental), derivam para o Pacífico, e, por isso, o País deve direcionar suas relações comerciais e tecnológicas para a Ásia, de acordo com o diretor da Fundação Armando Alvares Penteado (Faap), diplomata aposentado, ex-embaixador em Washington e ex-ministro da Fazenda e do Meio Ambiente, Rubens Ricupero.

Em entrevista ao UM BRASIL, Ricupero diz que a política externa brasileira deve “auscultar o que vai pelo mundo, saber captar quais são as tendências, para onde vai o mundo e, em seguida, adaptar o País a essas tendências”. Nesse sentido, ele destaca que a China, a qual chama de “estrela do futuro”, segue os passos de outras nações asiáticas – Japão, Hong-Kong, Coreia do Sul, Singapura, Malásia e Tailândia.

Veja também
“Cada vez mais o crescimento vai depender do gasto do setor privado”, diz Gustavo Franco
Abertura comercial é a mãe de todas as reformas, aponta economista Edmar Bacha
Convergência é chave para enfrentar desafios fiscal e educacional do País, afirma Pedro Malan

“A posição brasileira deve ser de buscar o seu desenvolvimento aproveitando as oportunidades criadas por esse movimento da história, que é um movimento que nós não podemos deter ainda que quiséssemos. É um movimento em que nós pouca influência temos. Então, qual é o caminho? Temos que investir cada vez mais e procurar ter relações econômicas, comerciais e tecnológicas com os países asiáticos”, afirma o ex-embaixador.

Ricupero comenta que, no século passado, a agenda internacional brasileira foi bastante pautada pela norte-americana, inclusive tendo o Brasil, muitas vezes, assumido uma postura “política de alinhamento automático” com os Estados Unidos. Hoje, ele diz que o País precisa ter precaução ao se aproximar da maior potência da América como fez ao longo do século 20.

“Os dirigentes da época [da Guerra Fria] consideravam que a agenda internacional americana e a agenda internacional brasileira coincidiam, porque o inimigo era o mesmo, o comunismo internacional. Hoje, não. Hoje, a agenda internacional americana tem pouquíssimos pontos de contato com a agenda brasileira”, avalia. “Qual é a agenda americana nesse momento? Primeiro ponto: contenção da China. Se possível, evitar que a China se torne a maior superpotência tecnológica do mundo, porque os chineses têm esse propósito. Por que o Brasil conteria a China? O Brasil tem na China o seu principal mercado. O Brasil vende para a China mais de 25% das suas exportações”, complementa.

De acordo com Ricupero, outras questões internacionais as quais um eventual alinhamento com os Estados Unidos prejudicaria o Brasil envolvem o Irã – país responsável por 7% das exportações de carne brasileira – e uma desavença sem sentido com a Rússia.

“Que interesse o Brasil teria em ter qualquer tipo de confronto com a Rússia?”, questiona o diretor da Faap. “O que eu quero dizer é que as nossas agendas interna e externa não coincidem com a americana, por isso é um equívoco ver nos Estados Unidos o país que deve nos liderar”, assegura.

Ex-embaixador em Genebra, Washington e Roma, Ricupero argumenta que a diplomacia brasileira sempre se destacou por uma vocação “construtiva de moderação e equilíbrio, sem comprar brigas que não são nossas”. Ele ainda lembra que, caso não haja nenhum conflito armado com a Venezuela, o Brasil completará 150 anos de paz com seus vizinhos em 2020, tendo o último conflito internacional sido a Guerra do Paraguai.

“Você pode dizer até que em parte é uma ideologia, é verdade, mas é melhor ter uma ideologia positiva do que se imaginar um povo belicoso, conquistador, militarmente forte. Não é essa a nossa tradição. A nossa tradição é uma em que a glória está muito mais na diplomacia do que na guerra”, pontua.

Confira a entrevista na íntegra a seguir:

 

Fonte Oficial: FecomercioSP

Comentários/Comments

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.