(Arte: TUTU)
Para CEO da Elo7, ainda há muito espaço para o crescimento do e-commerce

Desde o início da pandemia do covid-19, as vendas online dispararam. Para este episódio do podcast Mercado & Perspectivas, conversamos com Carlos Curioni, CEO da Elo7, marketplace de produtos criativos e autorais, criado em 2008. O executivo fala do crescimento de 11% da empresa em 2020 e acredita que isso só foi possível porque os vendedores se adaptaram rapidamente, se reinventaram e criaram novos produtos relacionados com os cuidados requeridos pela crise.

Por outro lado, houve um impacto negativo nas vendas em categorias como festas infantis, casamentos e batizados, já que eventos em geral foram cancelados. “Fazemos uma comunicação mensal aos nossos vendedores para informar o que está acontecendo, falar sobre os impactos negativos para as categorias e das possíveis oportunidades de remodelar os negócios”, acrescenta o executivo. Além disso, o marketplace desenvolveu um programa de treinamento e aceleração digital focado em pequenas empresas para dar apoio de conteúdo e consultorias gratuitamente.

Veja também:

Varejo aumenta uso da tecnologia na pandemia para diferentes funcionalidades
Moeda digital e comércio eletrônico: bem-vindo ao futuro
Participe do programa que aumenta a produtividade das micros e pequenas empresas brasileiras

De acordo com Carlos Curioni, a empresa conta com uma plataforma de tecnologia própria e pronta para atender às demandas, possibilitando que as pessoas montem suas lojas e comecem a vender seus produtos em poucas horas. Ele nos conta ainda que, neste período, as máscaras de tecidos surgiram como uma nova categoria no marketplace.

Perguntado sobre as expectativas para o e-commerce, o CEO da Elo7 diz que os consumidores têm tido boas experiências, existindo ainda muito espaço para o crescimento do comércio eletrônico.

Ouça o podcast.

 

O programa também está disponível no Spotify e no Apple Podcasts.

 

Fonte Oficial: FecomercioSP

Comentários

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.