A IBM concluiu nesta terça-feira (9) a aquisição da Red Hat, empresa especializada em softwares empresariais de código aberto na nuvem, por US$ 34 bilhões. A compra foi anunciada em outubro e. com a confirmação, se torna a maior da história da empresa de tecnologia da informação dos EUA. Cada uma das ações da Red Hat foi avaliada no negócio a US$ 190.

Em comunicado oficial, a Red Hat afirma que preserva independência, com a mesma liberdade e flexibilidade em seus negócios com os clientes, e mantém o compromisso com as soluções em código aberto. “Unir forças com a IBM nos dá a oportunidade de trazer mais inovação open source para ainda mais organizações e vai possibilitar a escala necessária para criar soluções híbridas na nuvem que levem maior agilidade e opções a elas”, diz Jim Whitehurst, CEO da empresa.

Ginni Rommety, presidente da IBM, destaca o potencial longevo da aquisição. “Eles precisavam de parceiros em que confiem para gerenciar e garantir a segurança de seus sistemas. IBM e Red Hat são uma união perfeita para suprir essas necessidades. Como provedor líder de nuvem híbrida, vamos ajudar clientes a criar a fundação tecnológica necessária para seus negócios nas próximas décadas”, diz.

A Red Hat vai manter sua gerência, e Whitehurst segue na liderança. A empresa agora faz parte da área de computação cognitiva na nuvem da IBM. A aquisição não vai alterar, neste momento, as parcerias externas da Red Hat com provedores de nuvem como AWS, Azure, Google Cloud e Alibaba.

No Brasil, a Red Hat lançou em abril o Open Innovation Labs. A iniciativa pretende implementar cultura de inovação e levar a estrutura de startups e empresas à nuvem, com uma abordagem personalizada. A IBM também tem negócios específicos para o mercado brasileiro, como um centro de pesquisa em inteligência artificial. As soluções integradas após a aquisição bilionária também serão disponibilizadas aos clientes brasileiros das gigantes do mundo da tecnologia.

Fonte Oficial: StartSe

Comentários/Comments

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.