Clique para copiar

https://itforum365.com.br/grupo-energisa-renova-infra-de-telecom-para-integrar-unidades-e-equipes/


O processo de modernização para empresas não é algo que acontece de prontidão. No entanto, adotar novas metodologias pode trazer grandes resultados. E se a estratégia for bem pensada, elas podem chegar rápido também.

O Grupo Energisa, um dos principais conglomerados do setor elétrico do Brasil, precisava modernizar e melhorar algumas áreas. Além da infraestrutura de telecom, eles queriam melhorar o gerenciamento e integração das equipes, mas também reduzir o Opex (despesas operacionais).

A estratégia foi adotar um projeto com tecnologia da Avaya Holdings. Com o Avaya IP Office, foram substituídos os equipamentos antigos e alugados por novos e próprios na unidade da Energisa localizada no Mato Grosso.

Durante essa fase de transformação, a Energisa também visava reduzir o Opex. No início, as mudanças foram aplicadas tanto nos equipamentos que ficavam na capital, Cuiabá, quanto nos do interior. A implantação, serviços e manutenção ficam por conta da Olitel, especializada na integração de serviços de TI e telecom.

“Começamos com o objetivo de trocar equipamentos alugados por próprios para reduzir o Opex, mas também precisávamos de atualização tecnológica, diminuição da manutenção, facilidade na gestão e ampliação de troncos”, diz a coordenadora corporativa de telecom da Energisa, Rosana Sant Ana Pereira.

O processo de substituição levou apenas dois meses e já ajudou na expansão. Outras unidades de três localidades da Energisa também participaram dessa troca de equipamentos: Mato Grosso do Sul, Tocantins e Sul-Sudeste – que compreende interior de São Paulo, Sul de Minas Gerais e Norte do Paraná.

A Olitel, parceira da Avaya, implantou o Avaya IP Office nas sedes e no centro de operação integrado (COI), que é onde ficam as equipes de manutenção de subestações, linha e campo. Nestes centros, também foram implantados gravadores e uma linha direta (hotline) com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).

Redução do Opex

Com os investimentos, a Energisa deixou de lado um PABX tradicional e um cabeamento para telefonia. Apesar de o tronco da operadora ser analógico, a empresa passou a usar ponto de rede para atender o setor de telefonia. Isto diminui os custos de manutenção e o número de cabos, facilitando a gestão.

A atualização de tecnologias também ampliou o número de ramais IP, o que facilita a comunicação entre as unidades do grupo. Rosana explica que, com o tempo, eles foram “ficando mais confiantes para ter uma implantação puramente IP em alguns sites”.

Isto auxilia também no uso de um PABX com gravador integrado, com melhorias na capacidade de armazenamento e diminui os pontos de defeito. Os aparelhos também foram substituídos por outros mais intuitivos, que permitem configuração otimizada para os grupos que precisam retornar as ligações aos clientes.

Felipe Queiroz, gerente de canais da Avaya, analisa que os ganhos de colaboração são significativos, especialmente “nos clientes que optaram por usar tecnologias mais avançadas, como a que proporciona o IP Office”. Na sua visão, “não se trata apenas de telefonia sobre IP, mas, sim, de uma plataforma que permite que a empresa ganhe escalabilidade, além de conectar outros dispositivos, que ampliam a experiência de comunicação dos times internos”.

Após a interligação entre as unidades, ampliação de troncos e facilidades na utilização da telefonia IP, a Avaya pretende avaliar a situação das outras empresas do grupo para possíveis novas trocas no futuro.

Uma dessas mudanças está no aumento da capacidade nas salas de audioconferência. O objetivo é saltar de 100 para 500 participantes. Também é avaliada a implementação de URA (Unidade de Resposta Audível) para um dos COIs. A ideia é substituir os ramais normais para segmentar e gerar relatório dos atendimentos, aprimorando também o contato entre operador e eletricista.

Fonte Oficial: IT Forum 365

Comentários/Comments

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.