Desfile da Burberry na semana de moda de Londres, em setembro

Quando a estilista Stella McCartney fundou sua marca, em 2001, não imaginou que um de seus principais pilares – não usar nenhum material de origem animal e se importar com a preservação do meio ambiente – viria a ser mandatório para toda a indústria da moda. Hoje as principais grifes de luxo correm para promover soluções mais sustentáveis em suas cadeias produtivas. A moda, afinal, é a segunda indústria mais poluente do mundo, atrás apenas do petróleo (o poliéster, por exemplo, consome milhões de barris de petróleo e leva séculos para se decompor).

LEIA MAIS: Amsterdã ganha 1º museu de moda sustentável do mundo

Os atuais consumidores (como os millennials e a geração Z) querem saber tudo sobre o que lhes é oferecido: a procedência, a forma de produção e como as empresas trabalham para um mundo melhor. Por isso, na metade deste ano, a inglesa Burberry ganhou negativamente os holofotes por suas queimas (literais) de estoques de coleções passadas, para não baixar os preços em eventuais liquidações. A resposta da grife foi um anúncio garantindo que as polêmicas fogueiras de itens caríssimos não vão mais ocorrer – ainda não disseram, no entanto, o que farão com os produtos não vendidos. A francesa Hermès, por exemplo, desde 2013 transforma parte dos restos de tecidos e couros em novos acessórios, identificados pela etiqueta Petit H.

Divulgação
Bolsa de “vegetarian leather” da Stella McCartney

Outra polêmica que vem mudando a indústria do luxo é o uso de pele animal. Em 2018, várias grifes, como Versace, Gucci, Michael Kors, Burberry, Coach e Tom Ford, anunciaram o fim da prática. O movimento impulsionou grandes e-commerces como Farfetch, Asos e Yoox Net-a-Porter a não incluírem mais itens de pele em suas curadorias. A temporada mais recente da semana de moda de Londres, em setembro, foi totalmente fur-free.

Grandes grupos, donos das marcas mais conhecidas, mostram aos consumidores o que estão fazendo para mudar. A LVMH lançou em 2016 o projeto Life 2020, que visa reduzir sua pegada de carbono em até 25% em comparação a 2013 (em 2017 havia reduzido em 12%). Para atingir a meta, criou lojas mais sustentáveis, com uso de energia renovável, e passou a fazer entregas sem emissões de gases, com carros elétricos. A Kering, apesar de no início de 2018 ter vendido sua participação de 50% na Stella McCartney para a fundadora, também vem aplicando mudanças nas outras grifes. Desde 2012, o grupo do bilionário François Henri-Pinault disponibiliza o relatório EP&L (Environmental Profit & Loss), que mensura os impactos positivos e negativos de sua produção no meio ambiente. São novos tempos na moda. Melhor assim.

Reportagem publicada na edição 63, lançada em novembro de 2018

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).

Fonte Oficial: Forbes.

Comentários/Comments

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.