Souza destaca a necessidade de elaborar estratégias com outros parceiros e pensar em soluções inovadoras
(Arte: TUTU)

A empresa Giuliana Flores conseguiu triplicar as vendas durante a pandemia do novo coronavírus. Isso porque a permanência das pessoas por mais tempo em suas casas aumentou o contato do público com o e-commerce. Outro fator decisivo está na criação de novos produtos com novos parceiros, segundo relata o fundador da empresa, Clóvis Souza, na série Mercado & Perspectivas, uma iniciativa da FecomercioSP.

“Pessoas, que não compravam, passaram a comprar no comércio eletrônico e aqueles, que tiverem uma boa experiência, vão continuar a comprar pela internet”, afirma Souza, que diz acreditar que o atual período, marcado pela quarentena, e o fechamento de inúmeros estabelecimentos, considerados não essenciais em todo o Brasil, vão transformar o comércio eletrônico.

Saiba mais sobre o impacto da pandemia nos negócios:
Quarentena e mudança no hábito de consumo são propícios para a entrada de novos negócios no e-commerce

Apesar de enxergar o momento como uma oportunidade, Souza destaca a necessidade de elaborar estratégias com outros parceiros e pensar em soluções inovadoras para baratear as vendas e conquistar mais clientes. A estratégia, segundo ele, fez a plataforma online registrar crescimento de 40% de novos usuários mesmo com os 29 quiosques e a loja física fechados desde o início da restrição.

“Assim que o anúncio de fechamento do comércio foi feito em São Paulo, me dirigi até uma padaria perto da empresa e criamos quatro tipos de cestas de café da manhã que estão sendo um sucesso. A compra antecipada de dois meses com outros fornecedores me permitiu baixar o preço e vender melhor para o consumidor”, explica Souza.

Ouça o podcast:

O conteúdo também está disponível aqui.

 

Fonte Oficial: FecomercioSP

Comentários

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.