Medidas selecionadas priorizam a preservação da saúde de todos que frenquentam lojas e escritórios
(Arte/Tutu) 

Após mais de dois meses de quarentena, o Governo do Estado de São Paulo deu início, neste mês de junho, ao plano de flexibilização das restrições às atividades de comércio e serviços, decretadas como forma de atenuar a propagação do novo coronavírus. A reabertura das atividades presenciais, contudo, não será uma volta imediata ao cenário anterior à pandemia.

Para reduzir o risco de contágio e, assim, evitar que o surto de covid-19 colapse o sistema de saúde, os estabelecimentos comerciais e de serviços precisam adotar medidas sanitárias e de distanciamento social, que devem ser seguidas por funcionários e clientes.

Acesse mais e-books sobre o enfrentamento da pandemia
Reduza os danos da crise de coronavírus com uma gestão de custos eficiente
Entenda como fica o pagamento dos impostos durante a pandemia de coronavírus
Saiba como gerir os negócios e contrair empréstimos para atenuar a crise causada pelo coronavírus
Saiba adotar o home office em sua empresa para contornar a pandemia do novo coronavírus

Entre outras ações, é esperado que as empresas higienizem com frequência escritórios e lojas; disponibilizem álcool em gel 70% para todos que entrarem no estabelecimento; exijam a utilização de máscaras enquanto vigorar o estado de calamidade pública; e, possivelmente, reorganizem a escala de trabalho para evitar aglomeração de pessoas.

O empreendedor deve ter em mente que essas e outras ações têm o objetivo de preservar a saúde de todos que frequentam o estabelecimento. Nesse sentido, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) compilou em um e-book as principais medidas sanitárias e de distanciamento social necessárias para quando as empresas reabrirem as portas e retomarem o atendimento presencial. Confira a publicação digital clicando aqui.

 

Fonte Oficial: FecomercioSP

Comentários

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.