Entre as sugestões está o pedido de inclusão da possibilidade de fracionamento da redução salarial em até três períodos de trinta dias
(Arte: TUTU)

A flexibilização de regras do Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, criado por meio da Medida Provisória n.o 936, ampliaria o poder de planejamento dos empresários com os negócios afetados pela quarentena.

Os donos dos estabelecimentos vivem um período de incerteza por não saberem quando poderão funcionar em sua plena capacidade e como ficará o consumo durante e após a pandemia. Nesse sentido, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) propõe em ofício melhorias a serem introduzidas na MP, que deve ser votada nesta semana na Câmara dos Deputados.

Entenda mais sobre o assunto:
Secretário do Trabalho esclarece detalhes das MPs n.º 927, n.º 936 e n.º 944; ouça o podcast
MPs n.º 936 e n.º 944 podem ajudar a preservar empregos
Assessor técnico da FecomercioSP detalha MP que permite a redução de jornada e de salário

No documento encaminhado nesta segunda-feira (4) ao deputado e relator da comissão mista da MP n.o 936/20, Orlando Silva, a Entidade sugere a inclusão da possibilidade de fracionamento da redução salarial em até três períodos de trinta dias. Além disso, a ajuda compensatória mensal de natureza indenizatória poderia ser aplicada independentemente do valor do salário.

A Federação pede também a modificação do artigo 16 da medida para permitir: o uso da redução salarial e de jornada e da suspensão contratual de forma cumulativa e nos respectivos períodos máximos de 90 dias (redução) e 60 dias (suspensão). O texto atual limita a 90 dias no total.

Outro pedido é a inclusão de dispositivo que deixe claro que aqueles sem direito ao Benefício Emergencial (BEm) podem celebrar acordo individual para redução proporcional de jornada de trabalho e de salário ou para suspensão temporária do contrato de trabalho. Tal inclusão é importante para trazer segurança jurídica ao empregador.

O documento também sugere a flexibilização do prazo de suspensão dos contratos de trabalho em até 120 dias. Atualmente, a MP estabelece 60 dias como o período máximo, mas em muitos municípios não há previsão para a retomada plena das atividades, o que torna esse intervalo insuficiente.

 

Fonte Oficial: FecomercioSP

Comentários/Comments

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.