Texto sobre comércio eletrônico deve ter avanços ainda neste ano na OMC
(Arte/Tutu)

O Conselho de Comércio Eletrônico (CCE), da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), discutiu, na última terça-feira (27), o andamento das negociações do e-commerce na Organização Mundial do Comércio (OMC).

A reunião, mediada pelo coordenador do CCE, Vitor Magnani, contou com a participação da coordenadora-geral de Negociações de Temas Não Tarifários da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério da Economia, Janaina Silva.

Veja também
Segunda etapa do Open Banking pode ter impacto positivo para as redes varejistas
“Logística sem papel” teria impacto positivo na produtividade e na redução de custos para as empresas de e-commerce
Entenda em que ponto está a agenda de acordos comerciais do Brasil

Apesar de estar em alta no Brasil e no mundo, o e-commerce ainda carece de normas regulatórias específicas em âmbito internacional. Janaina explicou que a OMC tem pautado negociações sobre diversos temas do universo digital, dentre as quais as referentes a spam e assinatura eletrônica já se encontram em estágio avançado.

Além disso, o organismo multilateral também tem se debruçado sobre proteção ao consumidor, acesso livre, código-fonte, dados governamentais abertos, comércio sem papel, direitos aduaneiros, contratos eletrônicos e pagamentos eletrônicos.

De acordo com ela, a expectativa é de que o texto da OMC sobre comércio eletrônico, mesmo que não seja concluído, avance significativamente até o fim deste ano.

Em 1998 foi adotado, na organização multilateral, o Programa de Trabalho sobre Comércio Eletrônico, no qual são discutidas as implicações do e-commerce nas cadeias globais de comércio. Na ocasião, os membros da OMC se comprometeram a manter a moratória do comércio eletrônico, que consiste em não impor direitos aduaneiros sobre transmissões eletrônicas. O compromisso tem sido renovado a cada dois anos.

“De alguns anos para cá, vemos um movimento de alguns países para rediscutir a moratória. A África do Sul, por exemplo, é um dos que alegam haver perdas para nações em desenvolvimento”, disse Janaína. “Mas os temas prioritários, dentro da OMC, mudam muito conforme o país”, complementou.

O coordenador do CCE, Vitor Magnani, ressaltou que o conselho, que congrega aproximadamente 80% das empresas que atuam no e-commerce brasileiro, lidera as discussões sobre aprimoramento e regulação do e-commerce, sendo que, inclusive, trabalha muitos temas em comum com a pauta em negociação na OMC, citando o projeto Logística Sem Papel como exemplo.

Magnani também salientou que o grupo pode contribuir com estudos e considerações do setor para subsidiar as tratativas em âmbito multilateral. “Temos analisado diversos dos assuntos debatidos na OMC, e seria importante o governo se inteirar sobre as necessidades das empresas brasileiras de comércio eletrônico”, destacou.

Janaina, por sua vez, comentou que também é de interesse da Secex estreitar a relação com o setor privado em torno dessa pauta.

Próximos passos

A partir desta primeira reunião com a Secex, o CCE, a fim de contribuir com a negociação na OMC, decidiu criar um grupo de trabalho (GT) para alinhar as sugestões relacionadas aos acordos comerciais de comércio eletrônico.

Os temas serão divididos em dois blocos:

• Tarifários: “De minimis”, taxas de devolução e outros.
• Não tarifários: proteção ao consumidor, acesso livre (open internet access), código-fonte, dados governamentais abertos, comércio sem papel, direitos aduaneiros, contratos eletrônicos e pagamentos eletrônicos.

O conselho e a secretaria também devem estabelecer uma agenda de encontros periódicos.

Acordos comerciais de comércio eletrônico

Na reunião, a coordenadora-geral da Secex apresentou um panorama dos acordos comerciais de comércio eletrônico do Brasil com outros países.

As tratativas mais avançadas são as seguintes:

• Brasil-Chile; depende de ratificação do Congresso brasileiro.
• Mercosul-União Europeia; em processo de revisão jurídica.
Interno do Mercosul; negociado em dezembro do ano passado, segue à espera do aval dos chanceleres dos países-membros.

Além destes, o País tem conversado com Canadá, Singapura e Coreia do Sul. Segundo Janaina, as negociações com os Estados Unidos foram retomadas recentemente.

Saiba mais sobre o Conselho de Comércio Eletrônico aqui.

Acompanhe a FecomercioSP

Para saber mais sobre as atividades de advocacy da FecomercioSP ou conhecer as atividades dos conselhos da FecomercioSP, fale conosco pelo e-mail ri@fecomercio.com.br. Se você ainda não é associado, clique aqui e conheça as vantagens.

Fonte Oficial: FecomercioSP

Comentários