Os milênios, aqueles que nasceram depois dos anos 2000 e já completaram a maioridade, não viveram o período, mas seus pais, que nasceram na década de 1980 e estão beirando os 40 anos têm algumas lembranças da hiperinflação da década de 1990, que atingia taxas superiores a 80%.

Naquela época, o poder de compra dos salários se reduzia quase à metade após 30 dias, e o Banco Central corria para produzir mais cédulas. Os supermercados conviviam com a remarcação desenfreada de preços dos produtos. Mas quem não tem memória desse período vai poder entender um pouco desse passado econômico na exposição Estabilidade Real: 25 anos de existência do padrão monetário brasileiro, o Real, inaugurada hoje (28), no Museu de Valores do Banco Central (BC), em Brasília.

Exposição Estabilidade Real, no Banco Central, celebra os 25 anos do lançamento do Real – Marcelo Camargo/Agência Brasil

“Os mais jovens têm o privilégio de jamais ter vivido os tempos difíceis de hiperinflação, o que talvez faça a conquista da estabilidade passar despercebida”, disse o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, na abertura da exposição. Segundo ele, é preciso conhecimento do passado para aprimorar o caminho do futuro.

O cenário de comprar e estocar alimentos e itens de necessidade básica para driblar a elevação constante de preços mudou em 1º de julho de 1994, com o lançamento da moeda nova, o Real, que veio substituir o Cruzeiro Real. Nos três meses anteriores, a unidade real de valor, a URV, foi utilizada para ajudar na indexação da nova moeda.

Segundo o Banco Central, a nova moeda trouxe estabilidade de preços e alterou hábitos de consumo no país. Acabou a correria para pegar mercadorias antes que fossem remarcadas, as compras do mês estocadas em freezers e as corridas as agências bancárias para garantir o salário do mês.

Exposição Estabilidade Real, no Banco Central, celebra os 25 anos do lançamento do Real – Marcelo Camargo/Agência Brasil

Na exposição, o público conhecerá um pouco do Brasil antes do Plano Real e as dificuldades para manter a inflação sob controle. Uma sessão mostrará os planos econômicos anteriores, fracassados, por meio de reportagens da época.

“Para um país que chegou a ter uma inflação mensal de 82% temos agora índices de preços previsíveis condizentes com as metas anunciadas, e esperamos manter patamares ainda menores”, disse o presidente do BC.

Roberto Campos Neto anunciou ainda que o Museu de Valores do Banco Central passará por uma reestruturação nos próximos meses e se tornará o primeiro Museu de Economia da América do Sul.

Na abertura da exposição também foi lançada uma moeda comemorativa dos 25 anos do Plano Real, com um beija flor alimentando filhotes no verso, uma alusão à primeira moeda de um real que não está mais em circulação.

A exposição pode ser vista pelo público a partir desta quarta-feira (28). O museu está aberto de terça-feira a sexta-feira das 9h às 16h45.

Linha do tempo do Plano Real – Arte EBC

 

 

 

 

 

 

Fonte Oficial: Isto É Dinheiro

Comentários/Comments

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.