Movida registrou o início de uma recuperação em “V” no fim de junho
(Arte: TUTU)

A atividade de aluguel de carro foi considerada essencial durante a pandemia de covid-19. No entanto, mesmo assim, a empresa Movida sofreu os impactos da crise econômica. No novo episódio da série “Mercados & Perspectivas”, da FecomercioSP, o CFO da Movida, Edmar Lopes, conta que a empresa teve de flexibilizar os prazos de pagamentos e até reduzir a frota da companhia.

Depois de “apertar os cintos” por meses, a Movida registrou o início de uma recuperação em “V” no fim de junho, e a expectativa é de um crescimento ainda maior no quarto trimestre, com a força do turismo doméstico e os novos hábitos do consumidor.

Saiba mais sobre a área de serviços:
Termina restrição ao serviço de manobrista na capital paulista durante pandemia
Tecnologia tem papel de destaque na retomada da economia; ouça
Waze se recupera aos poucos após queda drástica em viagens

“Fundamentalmente, o que se percebe é que há uma mudança de hábito, mas, como eu digo sempre: o carro saiu mais forte na pandemia do que entrou. Coisas dessa natureza nos trazem um otimismo para que a gente tenha uma recuperação de volume e de preço, ou seja, praticamente estaríamos no modo pré-pandemia agora, no mês de outubro”, afirma Lopes.

Ouça o podcast

O conteúdo também está disponível no Spotify e no Apple Podcasts.

 

Fonte Oficial: FecomercioSP

Comentários/Comments

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.