Clique para copiar

https://www.itforum365.com.br/empresas-que-nao-inovarem-perderao-ate-us-20-bilhoes-em-5-anos/


Um relatório da Accenture aponta que, nos próximos cinco anos, empresas que não conseguirem escalar em inovação podem perder até US$ 20 bilhões.

O movimento negativo se dá pela forma como novas tecnologias são adotadas; ou, no caso, se as empresas deverão prosperar ou perder espaço com decisões em TI.

O relatório foi baseado em uma pesquisa com mais de 8.300 empresas em 20 indústrias de 22 países. As empresas foram classificadas em adoção de tecnologia, profundidade de adoção de tecnologia e prontidão cultural.

A Accenture, então, classificou tecnologias corporativas como um sistema independente. Foi identificado que, por exemplo, os líderes tendem a fazer adoções mais cedo, mas depois reinvestem e são mais deliberados sobre compras.

Segundo o relatório, 98% dos líderes adotam inteligência artificial; dos retardatários, 42% seguem o movimento. Outros 94% dos líderes confiam em seus dados comerciais, sendo um precursor da adoção da tecnologia. Dos retardatários, 64% acreditaram nos seus dados para mudanças nos negócios, mas sem o mesmo nível de análise.

A comparação se difere também nas equipes. Para 91% dos líderes é mais eficaz trabalhar com equipes interdepartamentais para combinar estratégias de TI e de negócios; no caso dos retardatários, a fatia é de 41%.

A receita anual dos retardatários teve perda de 15% em 2018. A projeção para até 2023 é de que a receita deixe de crescer 46% sem mudanças eficazes de tecnologia dentro da empresa.

De acordo com o relatório, os líderes procuram uma melhor combinação de dados, infraestrutura, aplicativos, e na relação humano x máquina em um sistema.

Já as tecnologias que devem garantir crescimento variam de big data, nuvem híbrida, Internet das Coisas, aprendizado de máquina e Inteligência Artificial, robótica e mais.

Via: ZDNet.

Fonte Oficial: IT Forum 365

Comentários/Comments

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.