Entrevistado também aborda as mudanças detectadas no mercado durante a quarentena e as restrições de isolamento social
(Arte: TUTU)

A mudança no comércio eletrônico, em função da pandemia de covid-19, levou os Correios a adaptar os serviços. As mudanças analisadas são contadas ao podcast da FecomercioSP pelo diretor de negócios da empresa, Alex do Nascimento.

No programa, ele fala que, no início da pandemia, quando foram impostas a quarentena e as restrições de isolamento social, a empresa detectou um aumento no envio de determinados tipos de mercadorias consideradas de necessidades básicas, itens relacionados a casa e limpeza, medicamentos e álcool em gel, por exemplo.

Saiba mais sobre as mudanças ocasionadas pela pandemia:
E-commerce dá importante passo rumo à logística sem papel
Clientes perdem medo de meios de pagamento digitais e do cashback
Saiba como montar uma operação de comércio eletrônico em meio à pandemia
Logística urbana não estava preparada para o avanço do e-commerce; ouça

“Verificamos também aumentos de determinados produtos de menos peso e de entregas em regiões mais próximas, o que chamamos de ‘carga local’ ou ‘estadual’. Com o tempo, alguns produtos vão retomar a sua dinâmica no comércio eletrônico.  É natural, no curto prazo, essa acomodação, mas certamente as mudanças ocorridas até o momento geraram nova matriz de produtos”, afirma Nascimento.

Especificamente para as empresas que pretendiam vender no mercado online brasileiro e para o exterior, Nascimento reforça que os Correios lançaram o AproxiME, que pode ser contratado pela internet sem o deslocamento a uma unidade física. “Esse programa juntou algumas capacidades de ofertas de produtos e serviços dos Correios de maneira mais clara e acessível às pequena e médias empresas que realizavam as primeiras experiências no comércio eletrônico”, diz.

Ouça o podcast

O conteúdo também está disponível no Spotify e no Apple Podcasts.

 

Fonte Oficial: FecomercioSP

Comentários

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.