Ainda: China é assunto para uma entrevista do UM BRASIL com o sociólogo Thiago de Aragão
(Arte: TUTU)

Com o consumo excessivo trazendo consequências irreparáveis para o meio ambiente, apenas uma mudança no comportamento da sociedade pode mudar essa realidade, por meio de um complexo processo de reciclagem. A urgência do tema é explicada pela matéria de capa da Problemas Brasileiros de fevereiro/março, que trata da responsabilidade compartilhada do consumo consciente. O conteúdo percorre a atuação de consumidores e de setores do meio ambiente, do comércio, da indústria e do governo.

A publicação ainda aborda a importância da eleição da ex‑procuradora‑geral Kamala Harris à vice‑presidência dos Estados Unidos. Ao lado do presidente democrata Joe Biden, Kamala no governo simboliza o movimento de milhares de mulheres e minorias étnico‑raciais no país mais desenvolvido do mundo.

Leia mais sobre sustentabilidade
Sucesso de sistema de logística reversa de pilhas e baterias portáteis depende de participação do empresário
Entenda a diferença entre as plataformas para emissão do Manifesto de Transporte de Resíduos
Lei que proíbe fornecimento de utensílios plásticos entra em vigor na cidade de São Paulo

A China é assunto para uma entrevista feita por Renato Galeno ao UM BRASIL com o sociólogo e diretor de estratégia da Arko, Thiago de Aragão, na qual ele conta o que devemos esperar do novo governo norte-americano em relação à China e como serão as relações entre Brasil e Estados Unidos nos próximos dois anos.

Sob outra perspectiva, a revista traça um panorama da influência da China na Organização das Nações Unidas (ONU) e relembra parte da história deste gigante econômico e das relações com o Brasil no comércio internacional.

Esses e outros assuntos você confere na edição 462 da Problemas Brasileiros, que pode ser encontrada nas melhores bancas físicas e livrarias, além das bancas digitais BancahRevistariaS e GoRead.

 

Fonte Oficial: FecomercioSP

Comentários

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.