Pelo menos, 10 mil pessoas foram afetadas e número deve aumentar nos próximos dias. Polícia afirma que se tratou de ato ‘deliberado para perturbar as operações do aeroporto’

Pelo menos 10 mil pessoas tiveram seus voos afetados pelo fechamento repentino do Aeroporto de Gatwick, no sul de Londres, devido a presença de drones.

O incidente interrompeu boa parte das operações nessa quarta-feira (19). Inicialmente, autoridades identificaram dois drones sobrevoando próximo o local. Entretanto, um terceiro veículo foi observado 45 minutos depois do aeroporto ter reiniciado suas atividades. 

Até a manhã desta quinta-feira (20), a paralisação ainda afetava todos os voos. Segundo informações da Associated Press, cerca de 2 mil passageiros iriam embarcar em aviões que não conseguiram decolar de Gatwick, 2 mil não conseguiram deixar seus pontos de origem e cerca de 6 mil passageiros tiveram o voo desviado para outros aeroportos do Reino Unido, Paris ou Amsterdã. Entretanto, esse número tende a escalar nos próximos dias. Uma vez que mais de 100 mil passageiros estavam programados para passar no aeroporto nesta quinta-feira em 760 voos. Ainda não há um prazo para a normalização dos voos. 

A polícia local informou que apurou o ocorrido e concluiu que se trata de um “ato deliberado que busca perturbar as operações do aeroporto”. Mas descartou se tratar de um atentado com motivações terroristas. 

Se identificados, os operadores dos drones poderão responder criminalmente. Isso porque a legislação britânica proíbe o uso de drones no perímetro de 1 km dos aeroportos. Os veículos também não devem exceder uma altitude de 122 metros.

“Estes drones voaram de forma ilegal e a lei não poderia ser mais clara, pois coloca em perigo a segurança das aeronaves, e pode ser punido com até cinco anos de prisão”, declarou o porta-voz da primeira-ministra Theresa May.

 

Fonte Oficial: IDG Now!.

Comentários/Comments

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.