dólar comercial fechou em queda de 0,75% nesta quarta-feira (9), a R$ 3,688 na venda, na segunda baixa seguida. É o menor valor de fechamento da moeda norte-americana em mais de dois meses, desde 26 de outubro (R$ 3,655), última sessão antes do segundo turno das eleições presidenciais. Na véspera, o dólar se desvalorizou 0,5% e fechou a R$ 3,716. 

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial. Para turistas, o valor sempre é maior.

Cenário externo 

O tom positivo no exterior influenciou os negócios desta quarta, em meio a expectativas de que Estados Unidos e China anunciem algum avanço em relação a um acordo para pôr fim à guerra comercial entre os dois países.

Após o fim de mais uma rodada de negociações em Pequim, o gabinete do Representante de Comércio dos EUA afirmou que a China prometeu comprar “um volume substancial” de bens e serviços agrícolas, energéticos e manufaturados dos norte-americanos. 

Reforma da Previdência

No Brasil, sinais de avanço na formulação da proposta de reforma da Previdência deixaram o mercado com expectativas positivas. Na véspera, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que a reforma do atual modelo de Previdência será acompanhada pela criação de um regime de capitalização, o que traria mais economia de recursos para o sistema.

Nesta quarta, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o presidente Jair Bolsonaro decidirá na próxima semana sobre a proposta que será apresentada e enfatizou que a intenção é apresentar um pacote único ao Congresso para reformar o sistema previdenciário, em vez de uma reforma fatiada.

Atuação do BC

O Banco Central realizou nesta sessão leilão de 13,4 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares para rolagem do vencimento de dezembro, no total de US$ 13,398 bilhões. Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.

(Com Reuters)

Fonte Oficial: UOL

Comentários/Comments

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.