A crescente procura por melhores níveis de escolaridade no Brasil nos últimos anos, embora seja uma boa notícia, trouxe um problema preocupante: as ofertas de cursos de pós-graduação stricto sensu irregulares. Somente em 2018, ao menos 84 denúncias do tipo foram encaminhadas ao Ministério Público pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) – o maior número desde 1970.

Preocupada com a dimensão das denúncias e instada pelo Poder Judiciário, a fundação do governo, responsável por avaliar os programas de pós-graduação no país, decidiu lançar, no fim de 2018, uma campanha para conscientizar e alertar a população sobre o tema. “Todo aprendizado é válido. Mas mestrado e doutorado, para serem válidos, têm que ser reconhecidos pelo MEC. Não leve gato por lebre”, diz o slogan da ação. 

Leia também: 
Só 0,5% das licenciaturas a distância têm nota máxima

Regulamentação

Para ser regularizada e gerar todos os efeitos legais para os estudantes – como progressão na carreira, aumento salarial e diploma, por exemplo – um curso de mestrado ou doutorado precisa passar por um processo que verifica se a proposta ofertada atende aos critérios mínimos de qualidade. “Ao ser aprovado pela Capes, recomendado pelo CNE (Conselho Nacional de Educação) e homologado pelo Ministério da Educação, o curso passa a fazer parte do sistema de pós-graduação e é avaliado periodicamente”, explica Sergio Avellar, coordenador geral de Normas e Estudos da Diretoria de Avaliação da Capes. 

Leia também: 
Comissão de Averiguação decide expulsar 27 alunos por fraude em cota racial

Enquanto isso, os cursos fraudulentos nem mesmo estão cadastrados em qualquer base de dados do sistema de educação do governo, e não podem, dessa forma, emitir diploma válido. “São instituições que se aproveitam da falta de informação e boa vontade da população”, diz o coordenador. “Há pessoas que já estavam prestes a terminar um curso quando perguntaram: ‘cadê meu diploma?’”. 

Justiça 

A Capes, por sua vez, não tem autoridade para interditar esses cursos. As denúncias recebidas pela agência são reunidas e encaminhadas ao Ministério Público. 

Nos casos em que o estudante já está prestes a concluir as aulas, cabe à Justiça decidir sobre a punição da instituição e indenização aos afetados. Em 2011, por exemplo, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul condenou uma universidade catarinense ao ressarcimento dos gastos com o curso realizado por uma aluna que residia no estado gaúcho e assistia às aulas em Santa Catarina.

Segundo os autos, no ato da matrícula a estudante foi informada da irregularidade. A universidade, no entanto, teria garantido a ela que, até a conclusão do mestrado, o curso já estaria regularizado no sistema de pós-graduação do país – o que não aconteceu. Na realidade, a instituição nem chegou a encaminhar à Capes o pedido de reconhecimento.

Leia também: 
Capes pode suspender pagamento de bolsas de mestrado e doutorado em 2019

Em um caso semelhante em 2015, a 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça puniu uma instituição e determinou que a faculdade indenizasse uma estudante em R$ 10 mil por não estar regularizada e estar impossibilitada de garantir os devidos direitos à aluna.

Denúncias 

O primeiro passo para não ser enganado, explica Avellar, é verificar a credibilidade da instituição que está ofertando o curso em relação ao sistema educacional do país. “Qualquer curso de pós-graduação que ele [o estudante] decida fazer, seja em uma universidade, em um centro universitário, faculdade ou instituto, que ele busque informações na página da Capes, www.capes.gov.br/cursosrecomendados”, diz. No portal é possível consultar uma lista dos cursos regulares em todo o Brasil, tanto de instituições públicas como privadas. 

Caso o cidadão suspeite da veracidade da oferta de alguma instituição, poderá fazer uma denúncia por mekio dos canais de comunicação, como o SIC – Sistema de Informação ao Cidadão, um sistema online. “Você não precisa nem se identificar, pode ser uma denúncia anônima. O que pedimos é que as informações sejam detalhadas lá, para que a gente verifique a pertinência da denúncia”, conclui.

Fonte Oficial: Gazeta do Povo

Comentários/Comments

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.