O novo cronograma do eSocial será publicado com antecedência mínima de seis meses
(Arte: TUTU)

A implantação do e-Social foi suspensa por tempo indeterminado conforme a Portaria Conjunta nº 55, da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, publicada nesta sexta-feira (4). Tal medida foi adotada em decorrência da pandemia de covid-19, período em que as empresas tentam se reerguer economicamente e evitar o fechamento de estabelecimentos em diferentes ramos de atividades.

Para a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), a suspensão é positiva para que as empresas tenham mais fôlego para a implantação do sistema, principalmente porque envolve as empresas de menor porte e dados relativos a saúde e segurança do trabalhador, nunca exigidos numa obrigação acessória. Ainda assim, ressalta a Entidade, deve-se aproveitar essa oportunidade de adiamento para rever processos e organizar os dados que são pedidos pelo eSocial.

Fique por dentro de outros assuntos de legislação:
É constitucional o pagamento adicional de 10% sobre a multa do FGTS
Instrução normativa simplifica o registro público de empresa
Após reviravolta no Congresso, Lei de Proteção de Dados entra em vigor

Segundo o cronograma previsto na Portaria nº 1.419/2019, a implantação da fase 3 (folha de pagamento) para o grupo 3 (empresa optante pelo Simples Nacional, sem fins lucrativos e pessoa física) e da implantação da fase 4 (segurança e saúde do trabalhador), teriam início no dia 8 de setembro.

Com a edição da nova portaria, as datas assinaladas em azul na tabela a seguir estão suspensas. O novo cronograma do eSocial será publicado com antecedência mínima de seis meses.

Saiba mais

A FecomercioSP tem um conteúdo amplo e detalhado sobre o eSocial e as orientações mais recentes sobre como proceder com base nas mudanças anunciadas. Veja mais aqui.

 

Fonte Oficial: FecomercioSP

Comentários

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.