A empresa ofereceu Receita Anual Permitida (RAP) de R$ 26,38 milhões, para construir e operar a concessão

Por Luciana Collet e Dayanne Sousa, do Estadão Conteúdo

access_time 20 dez 2018, 13h11

São Paulo – A CPFL Energia venceu a disputa pelo Lote 5 do leilão de transmissão que acontece nesta quinta-feira, 20, na sede da B3, em São Paulo. A empresa ofereceu Receita Anual Permitida (RAP) de R$ 26,38 milhões, para construir e operar a concessão. O montante corresponde a um deságio de 57,14% em relação à RAP máxima estabelecida para o empreendimento, de R$ 61.556.656,00.

A empresa superou outras sete ofertas, incluindo a Neoenergia, que se mostrou agressiva nos primeiros lotes do leilão, e o consórcio Itajaí, formado pela EDP Energias do Brasil, com 50%, e Cteep, com 50%, dentre outros.

O Lote 5 é composto por duas linhas de transmissão, somando 320 quilômetros de extensão, e uma subestação, com capacidade de transformação de 1.344 MVA, a serem construídas em Santa Catarina.

Os empreendimentos somam investimentos de R$ 366 milhões e devem gerar 732 empregos diretos, segundo estimativas da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

A agência explica que o projeto tem como finalidade de reforçar o atendimento elétrico à região Oeste de Santa Catarina, com objetivo de eliminar violações de tensão nas instalações de Rede Básica e de Rede de Distribuição. As obras tem prazo de 60 meses para serem construídas.

Trinta e oito empresas e consórcios disputam o leilão de transmissão, conforme documento disponibilizado pela Aneel. São ofertados no leilão desta quinta-feira 16 lotes de empreendimentos, com um total de 7.152 quilômetros de linhas de transmissão além de subestações com capacidade de transformação de 14.819 mega-volt-amperes (MVA) em 13 Estados do País (Amazonas, Amapá, Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, Pará, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins).

Fonte Oficial: Exame.

Comentários/Comments

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.