SÃO PAULO  –  Lá se vão 16 anos desde que o professor da Universidade de Berkeley Henry Chesbrough cunhou o termo ‘open innovation’. Ainda que parcerias externas entre grandes empresas e a academia, institutos de pesquisa ou até companhias concorrentes fossem práticas comuns mundo afora muito antes de 2003, foi a partir do início do século que a inovação aberta ganhou tração. Ainda que a inovação fechada não tenha perdido relevância, os trabalhos de pesquisa e desenvolvimento puramente confidenciais e restritos a laboratórios internos passaram a incorporar cada vez mais componentes de cooperação e interação com outros players do mercado.

Fonte Oficial: Valor.

Comentários/Comments

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.