Sem conhecimento cultural do mercado externo, empresário pode pôr uma eventual parceria em risco
(Arte/Tutu)

Embora a globalização tenha ampliado as oportunidades de comércio internacional, pequenos e médios empresários não podem ignorar um fator bastante importante para a concretização de negócios fora do País: a cultura do mercado para o qual tem interesse em exportar. Isso porque entender os costumes de outro país deixa a empresa em uma condição mais favorável para negociar com eventuais parceiros estrangeiros.

Nesse sentido, o empreendedor interessado em exportar, contratar um distribuidor local ou abrir uma filial em outro país pode procurar uma consultoria que disponibiliza treinamentos para negócios no exterior. De acordo com a Fecomercio Internacional, da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), esse tipo de serviço contribui para entender comportamentos que podem ser prejudiciais ou benéficos em uma relação comercial.

Veja também
Globalização pode ampliar oportunidades para pequenas e médias empresas
Estudo de mercado é peça-chave para exportação
Registro internacional de marca valoriza exportação de bens e serviços
Feiras no exterior são ótimas oportunidades para internacionalização dos negócios
Exportador deve conhecer as barreiras comerciais antes de iniciar operação internacional

Basta ver que grandes parceiros comerciais do Brasil, como a China e países de cultura islâmica, possuem hábitos que diferem bastante dos brasileiros, e, sem conhecimento prévio, o empreendedor pode arriscar a perder um contrato. Da mesma forma, países de cultura ocidental também têm as suas particularidades que não devem ser negligenciadas, como condutas de formalidade e pontualidade.

Sendo assim, é inegável que o conhecimento cultural sobre um parceiro estrangeiro é um recurso eficaz no processo de estreitamento da relação comercial. Vale lembrar que, mesmo que a empresa opte por manter operações por conta própria fora do Brasil abrindo uma filial – ou seja, sem a contratação de um parceiro –, não está livre dos impactos culturais manifestados por consumidores e funcionários.

Além disso, no caso de abertura de loja ou escritório em um mercado externo, a empresa deve seguir a legislação trabalhista local para contratar empregados. Nesse caso, deve-se recorrer a uma assessoria jurídica especializada para entender as regras e os direitos previstos aos trabalhadores. Também é pertinente submeter os funcionários estrangeiros a treinamentos sobre a história e a missão do empreendimento, de modo que possam entender a cultura da empresa para a qual colaboram.

Encontrar parceiros internacionais, entender hábitos estrangeiros e abrir uma filial no exterior não são operações simples. Sabendo disso, a Fecomercio Internacional se disponibiliza a auxiliar empreendedores do setor de comércio de bens e serviços a identificar e estabelecer articulações fora do País, atendendo às particularidades de cada negócio e reduzindo riscos.

Fonte Oficial: FecomercioSP

Comentários/Comments

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.