Dos seus avós, aparentemente, segundo um estudo. Tarefa de salvar o mundo da desinformação recai agora sobre o Vale do Silício e a indústria de tecnologia

As ferramentas que todos usamos para conhecimento, comunicação e negócios estão sendo reprojetadas para impedir a desinformação. Notícias falsas têm sido ligadas à política extremista, à divisão social, à violência popular e ao crime. Quem é o culpado?

Pessoas idosas, aparentemente.

Um novo estudo descobriu que os usuários do Facebook com mais de 65 anos são muito mais propensos a compartilhar notícias falsas do que os usuários mais jovens. As razões para isso incluem a falta de alfabetização em mídia digital por pessoas que não cresceram com a internet e declínio cognitivo relacionado à idade.

O WeChat, da China, encontrou resultados semelhantes e também concluiu que os moradores do país têm mais probabilidade de compartilhar notícias falsas do que as pessoas mais novas da cidade.

Mas isso dificilmente importa. A verdade é que notícias falsas estão se tornando um grande negócio. E como os cibercriminosos, os editores de notícias estão desenvolvendo seus métodos mais rapidamente do que a capacidade do público de evitar ser enganado.

E assim a tarefa de salvar o mundo da desinformação inevitavelmente recai sobre o Vale do Silício e a indústria de tecnologia.

De onde vêm as notícias falsas?

Notícias falsas não são o mesmo que opiniões desagradáveis, reportagens ruins, jornalismo errôneo ou discurso divisivo.

Notícias falsas exigem que as pessoas que escrevem ou transmitam as notícias saibam que estão entregando informações falsas.

O governo russo tornou-se o ‘garoto propaganda’ da desinformação política e desinformação geral por causa das montanhas de notícias (reais) sobre seu papel em notícias falsas que antecederam a eleição presidencial dos EUA em 2016. Relatórios mais recentes mostram os esforços russos para espalhar notícias falsas, não só nos EUA, mas em muitos países ao redor do mundo. Algumas dessas notícias falsas procuram desmentir até mesmo a ideia de que a Rússia divulga notícias falsas.

O governo russo, amplamente considerado o maior e mais sofisticado patrocinador estatal de fake news e desinformação, aprovou um projeto de lei para proibir o que chamou de notícias falsas neste mês. A nova lei, que pune os infratores com multas ou prisão, agrupa notícias falsas e qualquer “desrespeito” dos líderes do governo ou dos símbolos do Estado.

Campanhas de desinformação patrocinadas pelo Estado russo são impulsionadas pela política. Mas a notícia falsa é principalmente espalhada pelo lucro.

Pesquisadores holandeses e belgas mostraram que os criadores de notícias falsas do norte da Macedônia são geralmente de meia-idade e trabalham como famílias. É um tipo crescente de empresa familiar lá.

E em todo lugar. Notícias falsas atraem olhos, que por sua vez vendem publicidade. É uma indústria em crescimento em todo o mundo.

Em busca da vacinação de notícias virais

Uma parte desproporcional das notícias falsas do mundo se espalha em redes de propriedade do Facebook, incluindo a rede social de mesmo nome, Instagram, WhatsApp e Facebook Messenger, simplesmente porque é onde a maioria dos usuários da Internet está.

O WhatsApp tem um grande problema de notícias falsas. Por exemplo, notícias falsas sobre sequestros de crianças no WhatsApp na Índia foram culpadas por conduzirem linchamentos de multidões.

Um dos desafios do Facebook para conter notícias falsas no WhatsApp é que é um serviço de criptografia de ponta a ponta, por isso a empresa não tem acesso ao conteúdo compartilhado.

É por isso que o WhatsApp anunciou na última semana uma nova limitação no encaminhamento. Usuários em todo o mundo agora podem encaminhar qualquer mensagem específica apenas cinco vezes. O objetivo é retardar a disseminação viral de desinformação na rede.

A rede, que tem 1,5 bilhão de usuários, já havia adicionado um recurso que roteava automaticamente as mensagens encaminhadas, de modo que os usuários saibam que essas não são palavras do remetente.

O Facebook também removeu recentemente contas, páginas, grupos e perfis do Instagram conectados à rede de notícias e desinformação estatal russa Sputnik. Depois que as contas construíram grandes audiências publicando notícias legítimas, começaram a adicionar desinformação russa do Sputnik.

O Facebook agora diz que se reserva o direito de remover páginas e proibir grupos apenas “afiliados” com os violadores de padrões da comunidade do Facebook, mesmo que eles não tenham violado nenhuma regra.

Em um movimento aparentemente não relacionado, o The New York Times informou que o Facebook planeja integrar o Facebook Messenger, Instagram e WhatsApp para que mensagens criptografadas possam ser enviadas entre usuários nas diferentes plataformas.

Essa mudança deve aumentar a privacidade do usuário, mas também dar aos editores de notícias falsas mais opções para distribuir a desinformação secretamente. Como todas essas mensagens agora serão criptografadas de ponta a ponta, possivelmente conectando bilhões de usuários, teremos que depender exclusivamente do Facebook para encontrar e agir em campanhas de notícias falsas.

Outras plataformas sociais e de mensagens estão se esforçando para impedir notícias falsas

O Twitter está testando um ícone projetado para rotular os tweets que iniciam um tópico. Chamado de ícone “Tweeter original”, o marcador pretende notificar os usuários de que uma conta falsa representada pelo tweeter original durante um tópico de conversa é ilegítima.

O WeChat, da China, que pertence à Tencent e possui mais de um bilhão de usuários, firmou recentemente uma parceria com 774 organizações terceirizadas para fornecer aos usuários mais de 4.000 artigos que desmascaram notícias falsas. O WeChat também publica uma lista dos dez mais populares falsos boatos. Ele identifica artigos de notícias falsas. Também proíbe conteúdo e bloqueia links no serviço.

Inclinado em sua campanha contra notícias falsas, o WeChat ajuda o governo a censurar o discurso político e outros proibidos e reprime os links para serviços sociais competitivos, de acordo com críticos e concorrentes.

A rede social é ainda acusada de espalhar notícias falsas no Canadá entre chineses e canadenses.

A Microsoft adicionou novos recursos ao seu navegador Edge, que integram uma ferramenta de anti-desinformação de terceiros, chamada NewsGuard. Como extensão do programa Defending Democracy, da Microsoft, o NewsGuard usa um sistema de cores de cinco pontos para indicar a qualidade da fonte. Um brasão verde significa que a fonte de notícias defende “os padrões básicos de precisão e responsabilidade”. Um ponto de exclamação vermelho significa que é um fornecedor de notícias falsas ou não confiáveis. Clicar no emblema revela informações básicas sobre a fonte de notícias.

O NewsGuard, que classifica os sites de notícias com base na precisão, transparência, política de compras e outros fatores, é dirigido pelo jornalista empreendedor Steven Brill e pelo exeditor do Wall Street Journal, Gordon Crovitz, que são co-CEOs.

A plataforma não é o padrão e precisa ser ativada por cada usuário.

As extensões do navegador NewsGuard também existem para o Chrome, Firefox e Safari, e todas elas exibem classificações no Facebook e no Twitter, além de resultados de pesquisa no Google e Bing e em outros sites.

Isto é apenas o começo

Todas essas mudanças provavelmente ajudarão, mas não resolverão o crescente problema de notícias falsas. Por isso, outras ações devem começar a ser desenvolvidas.

Para começar, serviços NewsGuard e semelhantes poderão deixar de ser opções e, em vez disso, se tornarão padrões ou mesmo requisitos. Os navegadores avaliarão a qualidade de fontes de notícias.

E se a limitação de cinco encaminhamentos do Facebook for uma indicação, a “solução” para plataformas de mensagens é construir limitações, atrasá-las e torná-las menos poderosas.

Todas as alterações atuais e possíveis futuras têm algo em comum: elas tiram o controle dos usuários e das empresas e dão mais controle e discrição aos Facebook, Twitters e WeChats do mundo.

Eles nos dirão o que devemos e o que não devemos ler (ou, pelo menos, ungir o árbitro dessas decisões). Eles quem escolherão quais empresas proibir, mesmo que essas empresas não violem as regras publicadas. E a pergunta que fica é: nos tornaremos reféns desse controle?

 

Fonte Oficial: IDG Now!.

Comentários/Comments

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.