Tamanho e o crescimento das dívidas não são um problema, desde que sejam bem administrados pelos gestores
(Arte: TUTU)

Empresas superendividadas perdem a capacidade de investir e expandir os negócios. Por isso, o empresário precisa calcular e acompanhar o nível de endividamento dos negócios. Sendo assim, uma melhor administração financeira é cada vez mais necessária, pois, nas próximas semanas, muitas empresas que tiveram de recorrer ao crédito e às linhas emergenciais oferecidas pelo governo – como o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) –, para continuar em operação, devem começar a pagar as prestações, em um cenário de completa imprevisibilidade econômica, além de restrições de funcionamento como forma de contenção do contágio do covid-19.

A saída para os empresários está na realização de um balanço patrimonial, a principal demonstração contábil com informações das situações patrimonial e financeira da empresa. É uma espécie de fotografia de todo o conjunto de bens, direitos e obrigações empresariais em uma determinada data, sendo a principal fonte de dados para esta análise. Para isso, são considerados todos os ativos e passivos de um negócio, ou seja, seus bens, direitos e dívidas.

Fique por dentro de outras dicas úteis para o empresário
Seis erros comuns no fluxo de caixa que afetam o dinheiro da sua empresa
Reduza os danos da crise de coronavírus com uma gestão de custos eficiente
Saiba como gerir os negócios e contrair empréstimos para atenuar a crise causada pelo coronavírus

A assessoria econômica da FecomercioSP recomenda a elaboração de um quadro com o desempenho empresarial como forma de extrair informações das demonstrações contábeis. Isso depende da Análise Horizontal (AH), que consiste na análise do comportamento das contas contábeis ao longo do tempo (crescimento ou retração), e da Análise Vertical (AV), que mostra o peso de cada conta contábil no conjunto da demonstração.

Um roteiro básico para que o empresário possa iniciar a sua análise é se atentar à composição do ativo e do passivo, sempre observando a “folga” financeira da empresa. Deve-se avaliar também o perfil de endividamento – se é de curto ou longo prazo.

Dica!

A FecomercioSP reforça a necessidade de que todos os dados sejam analisados em conjunto e ao longo de vários períodos. O tamanho e o crescimento das dívidas não são um problema, desde que sejam bem administrados pelos gestores. Também é importante comparar os próprios indicadores com outras empresas do mesmo setor. Com estas medidas, o empresário terá maior segurança na hora de avaliar a saúde financeira da empresa. É importante destacar que os índices refletem a situação da empresa em um momento específico, e não devem ser analisados de maneira isolada.

Cuide da saúde financeira da sua empresa! Clique aqui e baixe uma planilha para calcular o grau de endividamento do seu negócio.

 

Fonte Oficial: FecomercioSP

Comentários