Black Friday é um período interessante para “testar” a predisposição do consumidor em gastar no Natal
(Arte: TUTU)

Com a recuperação dos setores de comércio e serviços se mostrando assimétrica, alguns segmentos, como o de vestuário, tecidos e calçados, estão com os estoques acima do necessário. Nestes casos, a liquidação pode ser o melhor caminho para reduzir os prejuízos e ter caixa suficiente para repor os estoques e comprar novas mercadorias para o começo do próximo ano.

“Estoque parado é custo. Aquele produto sem rotatividade significa dinheiro gasto sem retorno imediato, e a liquidação é uma excelente saída quando a loja precisa vender estes produtos antigos. Entretanto, tal ação não serve para a loja inteira, porque, nos itens mais novos, é possível manter a margem de lucro”, explica no podcast da FecomercioSP, Guilherme Dietze, assessor econômico da Federação.

Fique por dentro das novidades para alavancar as vendas
Sucesso da Black Friday nos pequenos negócios depende de boa estratégia de precificação
Seis benefícios que o PIX trará ao seu negócio
Aprenda a criar um perfil nas redes sociais e explore o mercado consumidor online

O especialista ainda ressalta a importância das promoções casadas, chamadas de cross-selling, ou seja, a venda de um produto mais velho junto com um mais novo. Além disso, Dietze destaca que a Black Friday é um período interessante para “testar” a predisposição do consumidor em gastar no Natal.

“A Black Friday é um excelente termômetro para o empresário encarar não somente o Natal, mas também as liquidações de início de ano. Quer dizer, isso vai mostrar que o ritmo estava mais forte ou mais fraco do que o esperado. Vendas boas em novembro apontam para um mês de dezembro mais aquecido, e isso é importante para pensar em estoque e também no quadro de funcionários”, enfatiza.

Ouça o podcast

O conteúdo também está disponível no Spotify e no Apple Podcasts.

 

Fonte Oficial: FecomercioSP

Comentários/Comments

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.