O Las Piedras, na praia de José Ignácio em Punta del Este (Uruguai), investe em arquitetura sustentável – a construção foi feita com containers desmontáveis. O Beach Club, dos empresários Roger Rodrigues e Fernanda Motta feito em parceria com o Hotel Fasano (que acaba de abrir hotel em Salvador), também utiliza madeira de reflorestamento. “Optamos por esse modelo pela questão ambiental já que não agride as dunas e nem atrapalha a praia. Ele funcionará durante a temporada de Verão, depois nós iremos desmontá-lo e montá-lo novamente no ano seguinte”, antecipa Roger.

Beach Club Las Piedras, em Punta (Foto: Divulgação)

+ Quem é o casal por trás dos beach clubs mais populares do mundo

+ Bali, o destino obrigatório de quem sabe curtir a vida

+ Toy Sushi: um belo passeio pela cozinha japonesa contemporânea

Carolina Proto, sócia do Estudio Obra Prima responsável pela obra, explica o projeto: “Tínhamos que levar em consideração à legislação local, que é bem restrita, para construções de paradouros na praia. Lá existe uma preocupação muito grande com o movimento das dunas – o principal cuidado para amenizar o problema foi colocar o local há cerca de um metro delas para que as mesmas possam se mover. Também pensamos em viabilizar a construção rapidamente – e desmanchá-la de forma eficiente. Por isso, optamos por containers revestidos reutilizáveis que já vêm com o próprio sistema de remoção.”

Beach Club Las Piedras, em Punta (Foto: Divulgação)

+ Fasano esquenta o verão do Rio com seu novo quiosque na praia, o Marea

+ Fasano anuncia seu primeiro residencial em São Paulo

+ Pousada José Ignacio é novidade do verão uruguaio

A arquiteta conta ainda outras escolhas feitas pensando no meio ambiente: “Toda a madeira utilizada é de reflorestamento. Pintamos o Eucalipto de preto para que ele não tenha um impacto visual tão grande já que o local tem uma paisagem linda e livre e é super importante para os moradores da região.”

Fonte Oficial: GQ

Comentários/Comments

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.