Decisão será um duro golpe para Caracas, uma vez que a Trafigura, com sede na Suíça, tem um acordo de longa data com a estatal PDVSA

Por Reuters

access_time 15 fev 2019, 13h13

Genebra – A empresa global de commodities Trafigura decidiu parar de negociar petróleo com a Venezuela devido às sanções dos EUA ao integrante da Opep, disse uma fonte com conhecimento direto do assunto.

A decisão será um duro golpe para Caracas, uma vez que a Trafigura, com sede na Suíça, tem um acordo de longa data com a estatal PDVSA para tomar petróleo bruto venezuelano e, em troca, abastecer o país latino-americano com produtos refinados.

Washington impôs novas sanções à PDVSA no mês passado com o objetivo de cortar uma fonte importante de receita para o presidente Nicolas Maduro.

A decisão veio depois que o presidente do Congresso, Juan Guaidó, invocou normas constitucionais para se tornar presidente interino, argumentando que a reeleição do socialista Maduro no ano passado foi uma farsa.

No ano passado, a trading Trafigura levou diretamente 34 mil barris por dia (bpd) de petróleo bruto e produtos venezuelanos, que foram revendidos principalmente para as refinarias dos EUA e da China, segundo documentos internos da PDVSA vistos pela Reuters.

A Trafigura vai parar de negociar com a PDVSA após concluir um pequeno número de negociações já concluídas, disse a fonte.

Devido ao tamanho dos acordos de óleo por empréstimos da Venezuela com a China e a Rússia, e o peso das sanções anteriores dos EUA, a PDVSA, que tem pouco dinheiro, tem se tornado cada vez mais dependente de intermediários para exportar petróleo e importar refinados.

A PDVSA não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

A Trafigura deve carregar duas cargas de petróleo venezuelano antes do final de fevereiro, disse a fonte com conhecimento direto e uma fonte de transporte marítimo.

Fonte Oficial: Exame.

Comentários/Comments

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.