Em seu segundo dia à frente da Secretaria Municipal de Cultura da cidade de São Paulo, nessa quinta-feira, Alê Youssef cedeu sua primeira entrevista no cargo para a GQ Brasil. O conteúdo na íntegra estará na edição de fevereiro da revista.

Na entrevista, Alê comentou sobre o convite recebido pelo prefeito Bruno Covas, creditando-o principalmente ao seu trabalho como presidente do bloco de carnaval Acadêmicos do Baixo Augusta ( posição da qual abdicou no momento em que aceitou o convite) . “Lutamos pelo direito à cidade, por causas de pertencimento e conseguimos este carnaval que ninguém imaginava que seria possível. Geramos uma causa que misturava a cultura e a cidade, o que eu acho que, no final das contas, foi responsável pelo convite do prefeito Bruno Covas para eu assumir a secretaria”, e completou, “essa ideia da relação da arte com a vida urbana, que está vinculada a todas as minhas experiências culturais, foi caracterizada de uma maneira muito expressiva pelo Baixo Augusta e os outros blocos da cidade. Nossa conquista foi voltar o carnaval para a cidade, a maior festa cultural popular.”

+Monobloco vai homenagear as mulheres no carnaval: “A força do feminino há de fazer a diferença!”
+Lista GQ: as 15 matérias de cultura mais lidas em 2018

Para ele, a secretaria pode ter a função de “construir pontes e fazer encontros de diferenças”. Embora esteja no momento se atualizando sobre as questões da pasta, o recém-nomeado secretário indicou qual será o seu ponto de partida: “O que vejo como primeiro ponto de início de trabalho – afinal estou há dois dias no cargo – é a busca por um calendário cultural que unifique tanto o público quanto o privado”, disse.

Youssef foi nomeado pelo prefeito Bruno Covas – vice da chapa de João Dória, que renunciou para ser eleito Governador do Estado –  depois da exoneração de André Sturm, ex-diretor do MIS – Museu da Imagem e do Som. Ele tem dois anos de mandato a cumprir. 

Fonte Oficial: GQ

Comentários/Comments

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.