Imagine que você nunca teve um chefe, ou que será a primeira vez em muito tempo que alguém exercerá essa função. E não porque você nunca precisou trabalhar ou sempre viveu de herança, mas sim por ter sido seu próprio patrão desde sempre. Mais que isso, por ter construído um império midiático que leva o seu nome e em que todos te consideram o big boss.

Essa é a nova realidade de Kondzilla, que a partir de agora passa a (assim como nós) ter chefe, metas e horários não estabelecidos por ele. Kond acaba de assumir a função de diretor criativo da Orloff, marca de vodka da Pernod Ricard – onde ficará seu escritório fixo pelos próximos meses.

“Acho que isso vai me deixar mais vivo”, brinca. “Não vou encarar como ter um chefe, mas mais alguém que vai me provocar para que eu entregue um resultado melhor”, reflete.

+ Kondzilla chora ao receber o prêmio de Música no Men of The Year
+ Novos workaholics: 6 executivos brasileiros que equilibram trabalho, esportes e família

Apesar dos novos ares, o empresário entende que o trabalho não será muito diferente – pense em quanta bebida a Kondizilla já vendeu de forma indireta, só que sem ganhar por isso. “Fazer filmes publicitários, dirigindo ou participando da criação, eu já fazia. O que muda é que agora vou fazer isso em uma multinacional e preciso aprovar as coisas com outras pessoas”, diz.

O desafio agora é ser o diretor criativo da Orloff (Foto: Divulgação)

Transição

Essa mudança, na verdade, vem acontecendo aos poucos e há um bom tempo. Em 2018, Kond deixou de comandar o dia-a-dia da Kondzilla para focar em outros projetos (Netflix incluída). Segundo ele, a meta sempre foi – e ficou mais clara nos últimos meses – assumir a direção criativa de alguma empresa que não fosse a dele. Mesmo que isso signifique mais trabalho, o que ele, como todo bom workaholic, faz questão de dizer que não é um problema.

“Muito trabalho eu sempre tive, mas é isso que eu gosto”, diz rindo. “Queria construir essa carreira como diretor criativo, mas para isso precisava fazer em outra empresa. Esse momento chegou. É muita alegria, é uma conquista, mas é só o primeiro passo. O objetivo final disso tudo é converter em vendas, em consumo. Isso tem que estar muito claro”, completa.

Kondzilla se acostumou a vender hits e todo um gênero musical. Agora terá que vender garrafas de bebida. Sua expectativa? “Atender todas as expectativas, ou o máximo possível delas”, conclui.

Fonte Oficial: GQ

Comentários/Comments

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do VIP CEO.